sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Alan Dubner fala sobre mídias sociais e sustentabilidade para alunos da FPM/UNIESP

A Semana da Integração, evento organizado pela FPM/UNIESP, recebeu na terça-feira, 22 de novembro, o diretor do Itu.com.br e especialista em mídias sociais Alan Dubner. Durante quase duas horas, Dubner falou sobre movimentos sociais surgidos na internet, como a Primavera Árabe, e como as novas mídias podem ajudar em questões ambientais e sociológicas.
Diretor do Itu.com.br falou sobre movimentos que surgiram
na rede e também motivou os estudantes

Dubner acaba de voltar do Rio de Janeiro, após participar do IV Congresso Nacional de Jornalismo Ambiental (CBJA). De lá, ele trouxe várias novidades sobre o segmento e compartilhou com os estudantes. Em um vídeo exibido, o apresentador da GloboNews André Trigueiro comenta sobre alguns casos, como o ato de fazer ‘xixi’ em público durante o Carnaval, que foi criminalizado após pressão pública.

Ele citou vários links, sites e mídias sociais que têm movimentado pessoas, como as redes Haro e Wiser Earth, via Facebook, citando ainda o movimento bluemarbles.org, que distribui um milhão de bolinhas de gude azul, que, para a pessoa que ganha, significa que ela está fazendo alguma coisa para tornar o mundo um lugar melhor. Alan Dubner também comentou a frase do economista Ladislau Dowbor - “Crescer por crescer é a filosofia do câncer” – dita no CBJA.

Em um de seus exemplos de como a internet pode mudar padrões e ideais, Dubner apresentou uma rápida pesquisa do termo “faculdade prudente de moraes” no Google. Ele comentou cada resultado, apontando erros e acertos na comunicação da instituição. Por fim, o palestrante lançou um desafio aos alunos: criar uma mobilização em torno de um objetivo comum, que é engrandecer onde estudam.

Black Friday é pra americano ver

Toda sexta-feira seguinte ao Dia de Ação de Graças é conhecida nos EUA como "Black Friday". Neste dia, lojas de todo o país oferecem descontos incríveis em seus produtos. As empresas brasileiras (lógico) não quiseram ficar pra trás. Importaram essa tradição americana em suas lojas. Resultado? Uma piada. Descontos incríveis sendo anunciados, mas na verdade não houve reajuste algum.

Nos EUA, a Black Friday movimenta milhões de consumidores,
atraídos por descontos incríveis e reais
É tudo truque. Um jogo de números que confunde o consumidor, que acredita que um grande desconto realmente está sendo aplicado. Vejamos o exemplo deste Blackberry Curve 8520, anunciado no Extra.com, que está com um bom desconto: de R$ 799,00 por R$ 399,00. Seria incrível se esse fosse o menor preço praticado no mercado e se esse modelo não fosse sair de linha em algumas semanas. Sim, esse aparelho já está nas prateleiras das lojas desde o início do ano e será descontinuado pelo fabricante em breve.

Fora que o preço anterior anunciado data do lançamento do produto. Quando era novidade, é óbvio que custaria mais do que agora. Fora que esse preço é coberto por um concorrente do e-commerce de Abílio Diniz: no Submarino.com, o mesmo celular sai por R$ 359,10 (à vista).

Ou seja, Black Friday no Brasil significa mentir ao consumidor, ludibriá-lo para que os grandes varejistas faturem mais e mais.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Campanha pretende paralisar as obras da hidrelétrica de Belo Monte

A campanha “É a gota D’água“ reforça a luta pela proteção do Rio Xingu e questiona os reais benefícios da Hidrelética de Belo Monte. A campanha conta com a participação de atores reconhecidos no cenário nacional e pretende reunir assinaturas do maior número possível de brasileiros e enviar à presidente Dilma Rousseff, para que as obras sejam interrompidas.

É a Gota D' Água +10 from Movimento Gota d' Agua on Vimeo.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Repente entre jornalista e assessor

Repente entre jornalista e assessor. Muito bom!!!

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

(Jornalista de redação)
Meu amigo assessor
Preste muita atenção
Você trai toda verdade
Doutro lado do balcão
Porta-voz de empresário
Jornalista não é, não.

(Assessor de imprensa)
Preste atenção você
Que se julga sempre o rei
O jornal que te emprega
E onde um dia eu trabalhei
Faz conchavo e tem muito
Rabo preso que eu sei.

(Jornalista de redação)
Lave a boca, assesssor
Pra falar do meu jornal
Rabo preso ou rabo solto
Nunca foi o principal
O interesse que domina
É a justiça social.

(Assessor de imprensa)
A justiça social
O Boitatá e o Pererê
São folclore, são histórias
Que contaram pra você
Teu jornal é um negócio
Faz de tudo pra vender.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

(Jornalista de redação)
Minha vida em redação
É pauleira, é corrida
Tem plantão, tem pescoção
Tem pauta bem encardida
Já tu é um bicho bundão
Que fugiu pra boa vida.

(Assessor de imprensa)
Boa vida eu não tenho
Também tenho que ralar
Só recebo mais dinheiro
O aluguel posso pagar
Tua merda de salário
Não queria mais ganhar.

(Jornalista de redação)
Meu salário é uma merda
Tu falou uma verdade
Bebo Kaiser no boteco
Mas tenho dignidade
Não vivo só por dinheiro
Quero ter felicidade.

(Assessor de imprensa)
Desapego ao dinheiro
Não consigo acreditar
Tu vive em coletiva
Só de olho no jabá
Come e bebe pra caralho
Até o evento terminar.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

(Jornalista de redação)
Assessor é um cabra chato
Cheio de atrevimento
Liga sempre em hora errada
Na hora do fechamento
Insiste no follow-up
Coisa mais sem cabimento.

(Assessor de imprensa)
Vem falar em atrevimento
Tu é um baita de um folgado
Manda e-mail com pergunta
Quer retorno apressado
Dá piti se não envio
Tudinho bem mastigado.

(Jornalista de redação)
Assessor é um sem-noção
Agora vou lhe dizer
Release bem do safado
Tô cheio de receber
Jogo tudo na lixeira
Claro que nunca vou ler.

(Assessor de imprensa)
Falar mal do meu release
É muita ingratidão
Jornalista hoje em dia
Não apura informação
Reproduz tudo que escrevo
Sem prestar nem atenção.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

Quero só que tu me diga
Com clareza, por favor
Qual a diferença entre
O jornalista e o assessor.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Quem quer Pizza do Google?

Pizzaria Google, boa noite! - De onde falam? - Pizzaria Google, senhor. Qual é o seu pedido? - Mas este telefone não era da Pizzaria do... - Sim senhor, mas a Google comprou a Pizzaria e agora sua pizza é mais completa. - OK. Você pode anotar o meu pedido, por favor? - Pois não. O Senhor vai querer a de sempre? - A de sempre? Você me conhece? - Temos um identificador de chamadas em nosso banco de dados, senhor. Pelo que temos registrado aqui, nas últimas 53 vezes que ligou, o senhor pediu meia quatro queijos e meia calabresa. - Puxa, eu nem tinha notado! Vou querer esta mesmo... - Senhor, posso dar uma sugestão? - Claro que sim. Tem alguma pizza nova no cardápio? - Não senhor. Nosso cardápio é bem completo, mas eu gostaria de sugerir-lhe meia ricota, meia rúcula. - Ricota ??? Rúcula ??? Você ficou louco? Eu odeio estas coisas. - Mas, senhor, faz bem para a sua saúde. Além disso, seu colesterol não anda bom... - Como você sabe? - Nossa Pizzaria tem o banco de dados mais completo do planeta. Nós temos o banco de dados do laboratório em que o senhor faz exames também. Cruzamos seu número de telefone com seu nome e temos o resultado dos seus exames de colesterol. Achamos que uma pizza de rúcula e ricota seria melhor para sua saúde. 
- Eu não quero pizza de queijo sem gosto e nem pizza de salada. Por isso tomo meu remédio para colesterol e como o que eu quiser... - Senhor, me desculpe, mas acho que o senhor não tem tomado seu remédio ultimamente. - Como sabe? Vocês estão me vigiando o tempo todo? - Temos o banco de dados das farmácias da cidade. A última vez que o senhor comprou seu remédio para Colesterol faz 3 meses. A caixa tem 30 comprimidos. - Porra! É verdade. Como vocês sabem disto? - Pelo seu cartão de crédito... - Como?!?!? - O senhor tem o hábito de comprar remédios em uma farmácia que lhe dá desconto se pagar com cartão de crédito da loja. E ainda parcela em 3 vezes sem acréscimo...Nós temos o banco de dados de gastos com cartão na farmácia. Há 2 meses o senhor não compra nada lá, mas continua usando seu cartão de crédito em outras lojas, lojas, o que significa que não o perdeu, apenas deixou de comprar remédios. - E eu não posso ter pago em dinheiro? Agora te peguei... - O senhor não deve ter pago em dinheiro, pois faz saques semanais de R$ 250,00 para sua empregada doméstica. Não sobra dinheiro para comprar remédios. O restante o senhor paga com cartão de débito. - Como você sabe que eu tenho empregada e quanto ela ganha? - O senhor paga o INSS dela mensalmente com um DARF. Pelo valor do recolhimento dá para concluir que ela ganha R$ 1.000,00 por mês. Nós temos o banco de dados dos Bancos também. E pelo seu CPF... - ORA VÁ SE DANAR ! - Sim senhor, me desculpe, mas está tudo em minha tela. Tenho o dever de ajudá-lo. Acho, inclusive, que o senhor deveria remarcar a consulta que o senhor faltou com seu médico, levar os exames que fez no mês passado e pedir uma nova receita do remédio. - Por que você não vai à m....??? - Desculpe-me novamente, senhor. - ESTOU FARTO DESTAS DESCULPAS. ESTOU FARTO DA INTERNET, DE COMPUTADORES, DO SÉCULO XXI, DA FALTA DE PRIVACIDADE, DOS BANCOS DE DADOS E DESTE PAÍS... - Mas senhor... - CALE-SE! VOU ME MUDAR DESTE PAÍS PARA BEM LONGE. VOU PARA AS ILHAS FIJI OU ALGUM LUGAR QUE NÃO TENHA INTERNET, TELEFONE, COMPUTADORES E GENTE ME VIGIANDO O TEMPO TODO... - Sim, senhor...entendo perfeitamente. - É ISTO MESMO! VOU ARRUMAR MINHAS MALAS AGORA E AMANHÃ MESMO VOU SUMIR DESTA CIDADE. - Entendo... - VOU USAR MEU CARTÃO DE CRÉDITO PELA ÚLTIMA VEZ E COMPRAR UMA PASSAGEM SÓ DE IDA PARA ALGUM LUGAR BEM LONGE DE VOCÊ !!! - Perfeitamente... - E QUERO QUE VOCÊ ME ESQUEÇA! - Farei isto senhor... ...(silêncio de 1 minuto) - O senhor está aí ainda? - SIM, PORQUE? ESTOU PLANEJANDO MINHA VIAGEM...E PODE CANCELAR MINHA PIZZA. - Perfeitamente. Está cancelada. ...(mais um minuto de silêncio) - Só mais uma coisa, senhor... - O QUE É AGORA? - Devo lhe informar uma coisa importante... - FALA, CACETE.... - O seu passaporte está vencido...

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O jornal impresso não morrerá!

O jornal impresso, como sempre o conhecemos, realmente não poderá ser substituído pela internet. A seguir alguns dos importantes usos do jornal:

Uso doméstico:
  • Amadurecer banana, abacate...
  • Recolher lixo.
  • Limpar vidros.
  • Dobradinho, serve para alinhar os pés da mesa.
  • Embrulhar louças na mudança.
  • Recolher a sujeira do cachorro.
  • Forrar a gaiola do passarinho.
  • Cobrir os móveis e o piso antes de pintar a casa.
  • Evitar que entre água por baixo da porta.
  • Proteger o piso da garagem quando o carro está vazando óleo.
  • Matar moscas, baratas e demais insetos.
  • Na época da crise econômica, usá-lo como papel higienico, mesmo que seja um pouco duro.

Uso educativo:
  • Bater no focinho do cachorro quando faz xixi dentro de casa.
  • Fazer barquinhos de papel.
  • Arrancar um pedacinho em branco para anotar número de telefone.

Usos comerciais:
  • Alargar o sapato.
  • Rechear bolsas para conservar a forma.
  • Embrulhar peixes.
  • Embrulhar pregos na loja de produtos para construção.
  • Fazer um chapeuzinho para o pintor ou para o pedreiro.
  • Cortar moldes para o alfaiate ou para a costureira.
  • Embrulhar quadros.
  • Embrulhar flores.

Uso festivo:
  • Acender a churrasqueira.
  • Rechear a caixa de presente-surpresa.

Outros usos:
  • Para os sequestradores usarem suas letras nas cartas.
  • Fazer bolinhas para jogar nos companheiros de classe.
  • Fazer uma capinha para o machado ou foice.
  • Fazer proteção na cabeça para não estragar a chapinha quando estiver garoando.
  • Nos filmes, para os bandidos esconderem o revolver.
  • Para esconder-se atrás dele quando não quiser que te vejam.

Ah! E por último:

Ler as notícias.

Poderia me dizer se você consegue fazer tudo isso com o computador?

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A USP não quer ser vigiada


Desde o dia 27 de outubro, o campus da Universidade de São Paulo (USP) tem sido cenário de conflitos entre alunos e policiais militares. Tudo se deu por uma denuncia anônima recebida pela PM de que três estudantes estavam fumando maconha em um carro, estacionado próximo ao prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Os militares detiveram os infratores afinal, segundo a lei vigente, porte de entorpecentes ainda é considerado crime.

Pois bem, os colegas dos maconheiros não gostaram muito e resolveram “protestar”. Sim, protestar entre aspas, pois o que vi foi um ataque sem necessidade à PM. Pedaços de pau, pedras e até cavaletes foram atirados contra a infantaria da corporação, que não reagiu de forma exagerada. Tudo isso pelo “direito” dos alunos de fumar seus baseados livremente pela universidade.

A presença policial tão contestada pelos “intelectuais da USP” foi uma reivindicação dos próprios alunos, após a morte do estudante Felipe Ramos de Paiva, no dia 18 de maio de 2011, em uma tentativa de assalto. O jovem cursava o 5º ano de Ciências Atuariais e seu assassinato causou, além de comoção, revolta no corpo discente, que solicitou através de carta melhorias na segurança do campus. O reitor, João Grandino Rodas, então assinou um convênio com a Secretaria Estadual de Segurança Pública para resolver este problema.
Na foto, um dos "revolucionários" da USP, antiimperialista
mas que usa GAP e Ray-Ban

Só que alguns integrantes da comunidade uspiana devem achar que estão acima da lei ou fora da jurisdição da Polícia Militar para não concordar com a presença da mesma na cidade universitária, pois ser contra a presença de mais segurança em um ambiente tão vasto como a USP é muita burrice. Não adianta usar como justificativa de que o ambiente acadêmico é um espaço para o pensamento livre que esse papo não cola. Qualquer pessoa está sujeita à lei.

A cidade universitária quer ser uma bolha, um ente autônomo. Não é da conta de ninguém saber ou cobrar o que ocorre por lá: como são utilizados os recursos, em que a sociedade brasileira está sendo beneficiada com a produção científica, qual é a produção científica etc. tudo em nome da autonomia universitária, a balela do “pensamento livre”. A universidade não gosta de ser vigiada. Nem pela polícia, nem pela sociedade.

Outra justificativa equivocada é em relação à “truculência da PM”. Sim, existem casos de uso de força desnecessária, corrupção e crimes praticados por policias, mas é tudo uma questão matemática: certa porcentagem da Polícia é truculenta, violenta e corrupta. Mas 100% dos bandidos, traficantes e criminosos são truculentos, violentos e corruptos. A presença da Polícia no campus é vital para a segurança da comunidade acadêmica, para que a única preocupação dos alunos seja estudar, para que outros “Felipes” não percam a vida no local onde estudam.